A leveza de um relacionamento sem ciúmes

Eu te amo, mas não quero nada sério. Eu gosto de poder te ligar pra conversar durante a madrugada, mas quero poder não atender o celular quando estiver no barzinho com as amigas sem ter que ouvir seus ciúmes. Quero continuar saindo com minhas mini-saias sem ver seu olhar de desejo substituído pelo olhar de reprovação.

Quero que você participe da ceia de natal, mas não quero que venha nos almoços de domingo. Quero que você continue a ter sua vida e seus amigos. Não quero que você participe da roda de chimarrão da mulherada. Mas quero você na minha cama quando a lua aparecer.

Não sei se quero mudar o status do facebook ou se quero trocar minha foto do perfil por uma de nós dois. Não sei se quero ganhar uma aliança dourada daqui cinco anos. Acho que me bastaria saber que você me ama, sem contar pro mundo.

Vamos continuar assim, no segredo que todo mundo sabe mas ninguém ousa contar. Vamos fugir e nos casar num lugar remoto da Austrália onde os cangurus sejam nossos padrinhos e a lua a testemunha.

Vem, vamos tirar os sapatos e deixar no chão as convenções, o ciúme, a calcinha e o preconceito.

O novo e o necessário

Criem-se mais disciplinas para as crianças. Criem-se mais cursos para formar professores. Criem-se mais professores. Mantenham-se as crianças ocupadas. Mantenham-se os professores desvalorizados. Desmotivem-se as crianças. Desmotivem-se os professores. Vivam-se de sonhos e mande os sonhos para a puta que os pariu.

Um dia eu joguei um papel no chão. Minha mãe me fez corrigir o erro e jogar o papel no lixo. A professora fez a mesma coisa na viagem da escola e todos jogaram seus lixos no lugar certo.

Um dia eu menti. Minha mãe me ensinou que mentir é errado. Meu pai me disse que a mentira destrói o ser humano por dentro. Quando cheguei na escola, a lição do professor foi a mesma.

Quando o sinal informou o fim do intervalo, todos os alunos entraram na sala para mais uma aula de produção de texto. O professor discutiu política.

O currículo nunca exigiu nada disso. O que aprendemos sobre cidadania, sobre ética e política entrou na sala de aula a partir da consciência dos docentes sobre a importância de formar pessoas. Eles não se cansaram de tentar retirar de nós os maus hábitos, a má educação infiltrada na sociedade. Eles não se cansaram de nos empurrar rumo à reflexão e o senso crítico. Eles continuam lutando por uma sociedade melhor com as ferramentas que tem em mãos: a educação.

Como eles, tenho certeza que muitos não se cansam. Esses bravos guerreiros de livros nas mãos não precisam de mais uma disciplina para lhes roubar o pouco tempo que tem para transmitir o conteúdo aos estudantes. Professor, minha gente, tem que se virar nos 30. Trinta alunos, trinta conteúdos, trinta cobranças em trinta minutos. Trinta dias de luta com salários vergonhosos que mais de 100 dias de greve não foram capazes de solucionar.

Criem novas disciplinas, mas não esqueçam que a necessidade da educação é outra.